sábado, 25 de fevereiro de 2017

Casa de Camilo

Durante a febre

 À porta do sepulcro, ainda volto a face
Para ver-te chorar, ó mãe do filho amado,
Que vê, como num sonho, a cena do trespasse…
– Solver-lhe o eterno abismo o pai idolatrado.
Talvez que ele, a sonhar, te diga: «Mãe não chore
Que o pai há-de voltar…» Quem sabe se virei?
Quando a Acácia do Jorge ainda outra vez inflore,
Chamai-me, que eu de Abril nas auras voltarei.
Camilo Castelo Branco





Sem comentários:

Enviar um comentário